SOBRE     |     FALE CONOSCO

LAZER E CULTURA

Poeta e historiador sanfranciscano Roberto Acruche toma posse na Academia Campista de Letras

POSTADO EM 23/10/2018 15:41:00 POR: VNOTÍCIA
Auditório da ACL esteve lotado (Fotos: Rodrigo Silveira)
Auditório da ACL esteve lotado (Fotos: Rodrigo Silveira)

A noite desta segunda-feira, 22, foi especial para o poeta e historiador sanfranciscano Roberto Pinheiro Acruche, de 74 anos, que tomou posse como membro da Academia Campista de Letras (ACL). A solenidade aconteceu no histórico prédio da Academia, localizado no Jardim São Benedito, em Campos.

 

Juntamente com Roberto, outros três membros tomaram posse na ocasião: o poeta e jornalista Aluysio Abreu Barbosa, o poeta e estudante de Direito Ronaldo Júnior, de 22 anos, e o escritor e pesquisador Elias Rocha Gonçalves, 60 anos.

 

Roberto Acruche destacou que se sente honrado por se tornar membro da ACL e lembrou de seus antecessores na cadeira 24:

 

— O último ocupante desta cadeira, Gláucio Corrêa Soares, e o patrono, José Pinto Ribeiro Sampaio, foram duas figuras bastante reconhecidas em Campos. É uma honra e um grande momento para a minha história fazer parte da ACL. Certamente, estou feliz por chegar à condição de acadêmico desta instituição, que é histórica e de suma importância não só para a cidade de Campos, mas para toda a nossa região — disse ele, que também é membro da Academia Pedralva Letras e Artes e autor de três livros: “Apontamentos Para a História de São Francisco de Itabapoana”, “A Minha Terra Também Faz Parte da História do Brasil” e “O Mangue da Moça Bonita”.

 

Em seu discurso, o jornalista Aluysio Abreu Barbosa destacou a importância de Atafona (São João da Barra) na construção da obra poética e lembrou a influência decisiva do pai. “Outro mestre que tive na vida foi Aluysio Cardoso Barbosa que me ensinou: ‘jornalismo é trabalho coletivo ou nada.’” Fez, ainda, referência ao professor e historiador ambiental, Aristides Soffiati, que o orientou nas leituras, e prestou duas homenagens: “Certamente, não tenho o talento do diretor e também poeta Antonio Roberto Kapi. Tampouco a visceralidade do ator Yve Carvalho”.

 

Diretor de Redação da Folha, Aluysio, 46 anos, ocupará a cadeira 31 da ACL, cujo antecessor foi Deneval Siqueira Filho e o patrono Múcio da Paixão. Ele começou a participar de festivais de poesia nos anos 90. Foi vencedor das edições de 1992 e 2007 do FestCampos de Poesia Falada e, em 2008, ganhou o 11º Concurso Nacional de Poesia Francisco Igreja, na Biblioteca Nacional do Rio de Janeiro.

 

Já o poeta e estudante de Direito Ronaldo Júnior, de 22 anos, é o mais novo entre os recém-eleitos. Ele, que é autor do livro “O Verso Sou Eu — Antologia de Sentimentos”, publicado em 2016, e também membro da Academia Pedralva Letras e Artes (APLA), destacou que não chega à ACL apenas por sua afeição às letras, mas, principalmente, pela intensa necessidade de ver o mundo de outras formas.

 

— Agradeço o apoio de todos os meus familiares, amigos e padrinhos na Academia — relatou Ronaldo, que prestou homenagens a Fernando da Silveira e Agostinho Rodrigues (falecido recentemente), os quais ele chama de padrinhos literários.

 

O jovem escritor também homenageou Marília Bulhões dos Santos Carneiro, sua antecessora tanto na ACL quanto na Pedralva, e Eloy Ornellas, patrono da cadeira 7 — Eloy, inclusive, tem uma questão muito em comum comigo: Ele também escrevia sobre a cidade, buscava vibrações urbanas quando estava escrevendo.

 

O escritor e pesquisador Elias Rocha Gonçalves, 60 anos, tem vários livros publicados. Dentre eles, sua primeira obra, “Passo a Passo de Monografias” (2007), que tem mais de 100 mil exemplares vendidos, e “A Pedagogia do Encantamento” (2010), vendida no Brasil e em 28 países de língua espanhola.

 

— É uma longa caminhada, e sempre com a ideia de chegar nesta casa. Ontem eu era padeiro. Hoje, sou um imortal da Academia Campista de Letras. Agradeço a Deus, à minha família e a todos que votaram em mim. Serei um soldado e contribuirei para que a ACL cresça cada vez mais ao longo dos anos — falou ele, que ainda relatou sobre seu antecessor na cadeira de número 17, Elvo da Graça Raposo, e o patrono, João Batista Lacerda Sobrinho.

 

Da redação com informações da Folha da Manhã

 

Leia mais em LAZER E CULTURA