SOBRE     |     FALE CONOSCO

GERAL

Bicho-Preguiça aparece em quintal de casa em Imburi de Barra em SFI

POSTADO EM 22/02/2020 11:03:00 POR: VNOTÍCIA
Foto: colaborador do VNOTÍCIA
Foto: colaborador do VNOTÍCIA

 

Um Bicho-Preguiça, apareceu na tarde desta sexta-feira, 21, no quintal do sanfranciscano Raul que mora em Imburi de Barra próximo ao posto de combustível do lugar.

 

A Secretaria Municipal de Meio Ambiente e Defesa Civil com apoio do INEA – Instituto Estadual do Ambiente  foi ao local e fez o recolhimento do animal.

 

Segundo a Secretaria de Meio Ambiente, o Bicho-Preguiça, que não estava ferido, foi capturado e depois solto na reserva da Estação Ecológica de Guaxindiba em São Francisco de Itabapoana.

 

BICHO-PREGUIÇA

 

Segundo o site brasilescola.uol.com.br , os bichos-preguiça são animais encontrados somente nas Américas, divididos em duas famílias: a Bradypodidae, que contém preguiças-de-três-dedos; e a Megalonychidae, com dois dedos. Ao todo, são seis espécies, cinco encontradas no Brasil.

 

São animais noturnos, de porte médio, apresentando em torno de oito quilos de massa e corpo com aproximados sessenta centímetros. Assim, ele é curto, tal como a cabeça e cauda, mas seus membros são compridos. Graças às oito ou nove vértebras cervicais que possuem, podem girar a cabeça em 270 graus, sem movimentar o restante do corpo.

 

A coloração varia entre o cinza e o marrom, com presença ou não de manchas, que podem ser claras ou escuras. Em seus pelos podem ser encontradas algas verdes e cianofíceas, que ajudam na sua camuflagem, e também servem de alimento para lagartas de algumas espécies de mariposas que vivem associadas às preguiças.

 

Graças às suas longas garras, vivem penduradas na vegetação, geralmente em copas de árvores, alimentando-se de folhas, frutos e brotos, novos, de espécies como embaúbas (Gênero Cecropia), ingazeiras (Gênero Inga) e figueiras (Gênero Ficus); encontradas em seu território. A reprodução também ocorre nas copas das árvores, dando origem a um único filhote, que poderá viver em torno de trinta e cinco anos. A água que o organismo das preguiças precisa é retirada de seus alimentos e do orvalho contido ali, uma vez que tais animais não ingerem essa substância.

 

Os bichos-preguiça não costumam utilizar suas garras para outros fins, uma vez que são animais pouco ágeis e muito lentos; características estas que, juntamente com o hábito de dormirem aproximadamente 14 horas por dia, lhes rendeu este nome. Assim, recorrem à camuflagem para não serem percebidos por seus principais predadores: onças, algumas serpentes e o gavião-real. Como os filhotes são carregados pelas mães, em suas costas, durante aproximadamente os seus nove primeiros meses de vida, tal comportamento confere proteção adicional a estes indivíduos, mais vulneráveis.

 


 

Vários animais silvestres têm sido encontrados em localidades de São Francisco de Itabapoana. Os especialistas avaliam que o desmatamento e as queimadas têm obrigado os bichos a procurar abrigo e comida nas áreas urbanas.

 

Leia mais em GERAL