SOBRE     |     FALE CONOSCO

RURAL

Queimadas em canaviais prejudicam a qualidade do ar em SFI

Pelo bom senso, "mal necessário" deveria se restringir à madrugada

POSTADO EM 30/05/2016 16:05:00 POR: VNOTÍCIA

 

No início da tarde desta segunda-feira, 30-05, a cidade de São Francisco de Itabapoana ficou encoberta por fumaça e fuligem de queimadas de canaviais. Para onde se olhava só se via um horizonte cinzento no entorno do Centro de São Francisco de Itabapoana.

 

Crianças, idosos e pessoas alérgicas sofrem com a baixa qualidade do ar, ocasionando graves problemas respiratórios. A fuligem provoca sujeira nas ruas e residências e a fumaça, além de ser prejudicial à saúde, traz transtornos às donas de casa que põe roupa no varal.

 

As queimadas desta segunda-feira foram provocadas por produtores e agricultores, que atearem fogo à palha dos canaviais para efetuar a colheita da cana.

 

Segundo a legislação vigente no Estado do Rio de Janeiro, os produtores de cana precisam de uma autorização do Instituto Estadual do Ambiente – INEA – para queimar o canavial.

 

Para o presidente do Sindicato dos Produtores Rurais de São Francisco de Itabapoana, Júnior Terra, há uma falha na legislação vigente. “Após receberem a autorização, os produtores podem colocar fogo ao canavial no momento que desejarem. Quem fez a lei não teve o cuidado de estipular um horário para as queimadas. Apesar disso, estamos orientando os produtores que faça a queimada entre 22 horas e 4 horas. É uma questão de bom senso, sendo a madrugada o melhor horário para essa queimada”, disse.  

 

O presidente do sindicato dá uma explicação que justifique a grande quantidade de queimadas de canaviais nesta segunda-feira. “A cana chegou a um tamanho padrão, mas devido à estiagem que atinge a região desde janeiro, os canaviais estão secando, dando indícios de que está morrendo. Com isso o produtor faz a colheita rapidamente para aproveitar a rebrota e não perder a lavoura”, acredita Júnior.

 

Outra questão que não pode passar despercebido por quem ateia fogo a um canavial e a necessidade de vigiar a queimada, pois com a seca que atinge a região, é possível que a chamas atinjam pastos, outras plantações e até áreas residenciais.

 

Sendo as queimadas um mal necessário, já que a lavoura de cana é uma atividade econômica importante no município, o que se espera é que todos façam a sua parte. Aos deputados estaduais, que restrinjam à madrugada o horário das queimadas, acrescente tal dispositivo à legislação vigente; aos órgãos ambientais, que intensifique a fiscalização, exigindo ao produtor a autorização da queimada do canavial; aos produtores, que tenham o bom senso de não colocar fogo à cana durante o dia.

 

Caminhões com excesso de carga

 

Outro péssimo legado deixado pelo setor canavieiro são os problemas decorrentes das condições do transporte da cana. Caminhões com excesso de carga provocam sujeira nas ruas e danificam as redes elétrica e telefônica.

 

Por vezes, bairros inteiros ficam sem energia elétrica. Em 2015, o Blog do Paulo Noel noticiou aqui o caso de um caminhão com excesso de cana que encostou na fiação, provocando um curto circuito, que por sua vez ocasionou um incêndio na carga.

 

 

Leia mais em RURAL