SOBRE     |     FALE CONOSCO

BRASIL E MUNDO

Navio grego é apontado como suspeito do derramamento de óleo que atingiu o Nordeste

Embarcação carregou 1 milhão de barris de petróleo cru na Venezuela

POSTADO EM 01/11/2019 17:56:00 POR: VNOTÍCIA
Navio Bouboulina é apontado pela PF como causa do derrame de óleo (Foto: Andreas Schröder)
Navio Bouboulina é apontado pela PF como causa do derrame de óleo (Foto: Andreas Schröder)

 

O petroleiro grego suspeito de derramar o óleo que causou o maior desastre ambiental já registrado na costa brasileira se chama Bouboulina. Ele carregou 1 milhão de barris do petróleo tipo Merey 16 cru no Porto de José, na Venezuela, no dia 15 de julho. Zarpou no dia 18 com destino à Malásia.

 

As informações sobre os detalhes do navio, sua carga e trajetória foram fornecidos pela agência de geointeligência Kpler, a pedido do G1, com base nos dados da Operação Mácula, desencadeada pela Polícia Federal nesta sexta-feira (1º). A embarcação Bouboulina passou a oeste da Paraíba em 28 de julho, segundo um porta-voz da agência.

 

As investigações do governo brasileiro apontam que a primeira mancha no oceano foi registrada em 29 de julho, a 733 km da costa da Paraíba. As primeiras praias do país afetadas foram no município paraibano de Conde em 30 de agosto.

 

O navio Bouboulina e a empresa grega dona da embarcação foram citados na decisão judicial que autorizou o pedido de busca e apreensão em escritórios no Rio de Janeiro. De acordo com os investigadores, 2,5 mil toneladas de óleo foram derramadas no oceano.

 

A proprietária do navio é a Delta Tankers, fundada em 2006, mesmo ano de fabricação do navio.

 

“Nós temos a prova da materialidade e indícios suficientes de autoria. O que nos falta são as circunstâncias desse crime, se é doloso, se é culposo, se foi um descarte ou vazamento”, disse Agostinho Cascardo, delegado da PF no Rio Grande do Norte.

 

De acordo com o delegado Agostinho Cascardo, a Marinha do Brasil apurou que, em abril, o navio grego ficou retido nos Estados Unidos durante 4 dias por causa de problemas no filtro de descarte da embarcação.

 

O petroleiro é do tipo Suezmax, e sua capacidade máxima é 1,1 milhão de barris. Considerando o valor atual de mercado do petróleo, o carregamento vale cerca de US$ 66 milhões. As 2,5 mil toneladas que vazaram na costa brasileira equivalem a quase três milhões de litros.

 

Rota do navio

 

Depois de sair do Porto de José, em 18 de julho, o petroleiro Bouboulina chegou à Cidade do Cabo, na costa da África do Sul, em 9 de agosto. Ele navegou pela costa por menos de um dia, depois continuou a jornada em direção ao estreito de Malaca, na Malásia.

 

Em 3 de setembro, chegou à costa da Malásia. Durante todo este trajeto, o petroleiro estava com "Automatic Identification System" (AIS) ligado.

 

Entre 3 e 13 de setembro, o navio Bouboulina transferiu a carga para outra embarcação, no sistema "ship-to-ship", com o AIS desligado. A Kpler informou que a embarcação que recebeu a carga é desconhecida.

 

Depois, o Bouboulina partiu rumo à Nigéria, para atracar no terminal Qua Iboe, e carregou novamente no dia 20 de outubro, e agora navega rumo à Balikpapan, na Indonésia

 

Cronologia das investigações

 

30 de agosto - primeiras manchas - Surgem as primeiras manchas em praias na Paraíba.

 

2 de outubro - PF abre inquérito - A Polícia Federal do Rio Grande do Norte abre inquérito para investigar a origem das manchas de óleo encontradas em várias praias do Nordeste.

 

5 de outubro - Bolsonaro pede investigações - Jair Bolsonaro pede investigações sobre as manchas e envolve PF, Defesa, Ibama e o ICMBio.

 

10 de outubro - 30 navios suspeitos - A Marinha diz que vai notificar 30 navios-tanque de 10 diferentes bandeiras a prestarem esclarecimentos na investigação. Análise da UFBA aponta que óleo que atinge litoral do NE é produzido na Venezuela.

 

14 de outubro - barris suspeitos - Após barris da Shell serem encontrados em praias do Nordeste, a empresa nega que tenha envolvimento no surgimento das manchas de óleo.

 

17 de outubro - modelos matemáticos - Marinha encontra barris da Shell flutuando no oceano e coleta material para análise. Com base em modelos matemáticos que consideraram o surgimento das manchas e a dinâmica das correntezas, pesquisadores da UFRJ apontaram que a provável origem das manchas surgiu a 700 km da costa da Paraíba.

 

22 de outubro - navios-fantasma - O comandante da Marinha, almirante Ilques Barbosa Júnior, diz que a investigação estava centrada em ‘dark ships’, navios que desligam o sistema de rastreamento. No mesmo dia, ministro do Desenvolvimento Regional, Gustavo Canuto, disse que as investigações buscavam navios que circularam entre 25 de agosto e 3 de setembro na costa brasileira.

 

30 de outubro - manchas supeitas - Duas pesquisas, uma da UFRJ e outra da UFAL, apontaram a suspeita de uma mancha de 200 km² flutuando a 50 km da costa da Bahia. Para o pesquisador Humberto Barbosa, da UFAL, a mancha poderia ter origem em um vazamento do pré-sal. A hipótese foi descartada pela Marinha, Ibama e Petrobras.

 

Fonte: G1

 

Leia mais em BRASIL E MUNDO